Noticias no Blog

Cine Curtas UJS Novos Filmes Veja o primeiro minuto do filme 'Lula, o Filho do Brasil'

TV Socialista

Loading...

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Eduardo Paes Afirma compromissos com os estudantes



Nessa quarta-feira dia 22 o candidato a prefeitura do Rio Eduardo Paes participou de um debate na Universidade Castelo Branco, realizado pela União Estadual do Estudante UEE onde o candidato se comprometeu com as principais bandeiras defendida pela entidade, a meia passagem para estudantes universitário e secundarista da rede privada, e a implementação a fundação de amparo a pesquisa o candidato resultou que “17 capitais do Brasil já tem a meia passagem o Rio sendo tão grande tendo assim mas, capacidade de custear ainda não tem isso e uma vergonha”. Participou do ato também Jandira Feghali e disse “os estudantes do Rio que diferente que estão tentando colocar através na mídia estão do lado de cá porque esses estudantes não se deixam levar com conversinha mole”

sábado, 18 de outubro de 2008

Ofensas de Gabeira à população do subúrbio mostram o que ele é

Em sua suposta retratação, ele não retirou nada do que disse. Apenas considerou inoportuna a sua publicação. Quando o ex-governador Carlos Lacerda planejou remover as favelas da Zona Sul (e Norte), transferindo as suas populações para regiões da Zona Oeste, subúrbio do Rio de Janeiro, lembrou-se de uma localidade conhecida pelo nome de Paciência. Artigo de Sérgio Rubens, publicado no jornal Hora do Povo.


O projeto do apartheid carioca foi iniciado nos idos de 1964, sendo abandonado pouco tempo depois devido aos fortes protestos que suscitou. Entre eles, o famoso samba Opinião, do compositor Zé Keti, que dizia: “Podem me prender/ Podem me bater/ Podem até deixar-me sem comer/ Que eu não mudo de opinião/ Daqui do morro, eu não saio não”.
O segundo turno das eleições à Prefeitura do Rio de Janeiro trouxe Paciência de volta ao noticiário, quando o candidato Fernando Gabeira, numa lamentável exibição de autoritarismo, preconceito e desrespeito aos moradores da vasta região suburbana do Rio, atacou a vereadora Lucinha, do PSDB, partido que compõe a sua base eleitoral.
Gabeira afirmou aos berros, em conversa telefônica, com o vereador Stepan Nercessian (PPS), registrada por repórteres que o acompanhavam: “A Lucinha está com sapato alto. É uma analfabeta política. Tem uma visão suburbana e precária”.O que estava em questão era a divergência entre a vereadora e o candidato sobre sua recente declaração de apoio ao projeto do prefeito César Maia para despejar o lixo da cidade no bairro de Paciência, através da construção de um gigantesco aterro sanitário no local.
O mega-aterro, conhecido pelo sugestivo nome de Lixão da Zona Oeste ou Lixão de Paciência, está orçado em R$ 1 bilhão.

Paciência não é mais a mesma dos tempos de Lacerda – símbolo de uma direita hidrófoba que Gabeira aos poucos vai procurando personificar. O bairro abriga hoje uma população de 85 mil moradores e se encontra em expansão.
O site da vereadora Lucinha, que reside na Zona Oeste, informa que “A luta contra o Lixão de Paciência começou em 2004 e no ano de 2007 um decreto legislativo aprovado pela Câmara dos Vereadores impediu a sua criação”. Porém, o Zoneamento da região foi alterado por decreto, pelo prefeito César Maia.
“Eu compreendo que o problema do lixo da cidade precisa ser resolvido e a minha solução é a construção de vários aterros sanitários e não tudo concentrado em Paciência”, diz Lucinha. A vereadora acrescenta que “a Barra, Jacarepaguá e Zona Sul precisam cuidar do seu lixo, como a Zona Norte precisa ter seu aterro, e Paciência cuidará apenas da Zona Oeste”.
No entender de Gabeira, esta é “a visão suburbana e precária” de “uma analfabeta política”.
Ele, que se considera politicamente alfabetizado, primeiro negou o ato. “Não houve atritos. Ela vai compreender que isso não foi dito no telefone tal como os jornais disseram”, afirmou Gabeira, da forma dissimulada que tem usado nos momentos em que considera oportuno maquiar a sua transferência da esquerda para a direita.Dois dias depois, 11 de outubro, o candidato tentou encerrar o assunto com a suposta retratação apresentada através de uma nota que diz: “Não é racional afirmar que a vereadora mais votada do Rio e a líder estimada da Zona Oeste seja uma analfabeta política. Pelo contrário, é uma liderança de peso”.
Quanto à “visão suburbana e precária”, não retirou o que disse. Providencialmente, nada teve a declarar.
É fácil perceber que as palavras “racional” e “afirmar” não entraram de graça no texto. Ele podia, se quisesse mesmo se retratar, ter dito que “é errado achar” ou “é injusto pensar”. Mas adotou a fórmula “não é racional afirmar”. Ou seja, não é racional afirmar publicamente o que pensa da visão “precária” dos “suburbanos”, porque fazer isso numa eleição em que 70% dos eleitores moram no subúrbio não pode dar bom resultado.
Em sua passagem pela esquerda, até nisso a identidade com Lacerda não é mera coincidência, Gabeira deveria ter aproveitado para ler o poema de Brecht intitulado “O Analfabeto Político”. Não lhe tomaria o precioso tempo, porque é menor que uma orelha de livro, e evitaria que ele seguisse citando-o em indevidos contextos. Talvez pudesse ter aprendido algo com os últimos versos, que afirmam: “o pior de todos os bandidos é o político vigarista e lacaio dos grandes interesses empresariais”.

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Para Fidel, países ricos não têm como impor soluções à crise

O insólito

No domingo 12 de outubro, os países da Eurozona estabeleceram um plano anti-crise por iniciativa de Sarkozy, presidente da França.
Na segunda-feira 13, anunciaram as cifras multimilionárias de dinheiro que os países da Europa lançarão ao mercado financeiro para evitar um colapso. As ações subiram com as surpreendentes notícias.
Em virtude dos acordos mencionados, a Alemanha havia comprometido, na pesquisa de resgate, 480 bilhões de euros; a França, 360 bilhões; a Holanda, 200 bilhões; a Áustria e a Espanha, 100 bilhões cada um, e assim sucessivamente até atingir, junto com a contribuição do Reino Unido, a quantia de 1,7 trilhão de euros, que nesse dia, já que a relação do câmbio entre uma e outra moeda varia constantemente, equivaliam a 2,2 trilhões de dólares, que se somavam aos 700 bilhões de dólares dos Estados Unidos.
As ações das grandes corporações que não se arruinaram tiveram um aumento abrupto de seu valor que, ainda que longe de compensar as perdas sofridas nos nove dias trágicos, permitir-lhes-á aos políticos e banqueiros do capitalismo desenvolvido desfrutar de uma dose de oxigênio.
Nesse mesmo dia pela noite, o Premiê da Itália, Silvio Berlusconi, num banquete realizado em sua honra que ocorreu na Casa Branca, faz um discurso prestando uma homenagem ao Bush: “Confiamos no Presidente que teve a coragem de pôr em prática o que considerava justo, o que devia fazer para si, para seu povo e para o mundo”.
Realmente passou dos limites!
Também nesse dia 13, o Prêmio Nobel de Economia correspondente a 2008 é outorgado ao cidadão dos Estados Unidos Paul Krugman. Trata-se sem dúvida de um defensor do sistema capitalista, mas é ao mesmo tempo muito crítico do presidente Bush.
Sob o título Gordon agiu bem, publicado no dia 14 no El País, expõe diversas idéias, algumas das quais merecem ser destacadas textualmente:
“O correto é enfrentar o problema da falta de capital financeiro fazendo com que o Estado proporcione às instituições financeiras mais capital em troca de uma parte de sua propriedade…
“Esta espécie de nacionalização parcial temporária também era a solução preferida particularmente por Ben Bernanke, o presidente da Reserva Federal.
“Ao anunciar seu plano de ajuda financeira de 500 bilhões de euros, Henry Paulson, secretário do Tesouro estadunidense, rejeitou este evidente caminho, alegando que ‘isso é o que se faz em caso de quebra’.
“O governo britânico foi diretamente à raiz do problema e atuou com assombrosa velocidade para solucioná-lo.”
“Paulson, depois de haver supostamente desperdiçado várias semanas muito valiosas, também deu para trás e agora pretende comprar ações bancárias ao invés de ativos hipotecários tóxicos.
“Como já disse, ainda não sabemos se essas medidas funcionarão… Essa visão clara teve que proceder de Londres e não de Washington.
“É difícil evitar a sensação de que a resposta inicial de Paulson estava distorcida pela ideologia. Recordem que trabalha para um governo cuja filosofia pode ser resumida em ‘o privado é bom; o público, ruim’.”
“Em todo o executivo, os profissionais experientes foram destituídos; quiçá não fique no Tesouro ninguém com a estatura e a trajetória necessárias para dizer a Paulson que o que estava fazendo não fazia sentido.
“Por sorte para a economia mundial, o que Gordon Brown e seus ministros estão fazendo sim faz sentido. E quiçá nos tenham mostrado o caminho para superar esta crise.”
Nem sequer o Prêmio Nobel de Economia 2008 está certo, como confessa, de que essas medidas funcionarão.
São coisas insólitas.
Na terça-feira 14, as ações nas Bolsas caíram alguns pontos de preço. Os sorrisos foram já mais estereotipados.
Os países capitalistas europeus, saturados de capacidade produtiva e mercadorias, desesperadamente necessitados de mercados para evitar desempregos de operários e dos especializados em serviços, depositantes que perdem seu dinheiro e camponeses arruinados, não estão, portanto, em situação de impor condições e soluções ao resto do mundo. Assim o proclamam os líderes de importantes países emergentes e dos que, pobres e saqueados economicamente, são vítimas do intercâmbio desigual.
Hoje quarta-feira 15 o valor das ações nas Bolsas caiu de novo estrondosamente.
McCain e Obama discutirão ardorosamente esta noite sobre o tema econômico.
Na grande democracia dos Estados Unidos, a metade dos que têm direito a votar não estão registrados; dos registrados, a metade não vota, e só 25 por cento dos eleitores elegem aos que governam. Muitos dos que agora, talvez, desejassem votar pelo candidato negro não podem fazê-lo.
Segundo as pesquisas, esse candidato conta com maioria esmagadora. No entanto, ninguém se atreve a dizer qual será o resultado.
O 4 de novembro é um dia de grande interesse para a opinião mundial, dada a crise econômica em que se debate a sociedade dos Estados Unidos.
Em matéria eleitoral, de apenas uma coisa podemos estar certos: nas próximas eleições do Reino Unido, Gordon Brown não será eleito Premiê.

Fidel Castro Ruz15 de Outubro de 2008

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Vereador de Nova Iguaçu repudia proposta de Gabeira de levar lixo para Baixada

Vereador do PCdoB de Nova Iguaçu repudia proposta de Gabeira de levar lixo para Baixada
Depois de ofender os moradores do subúrbio, Gabeira agora quer jogar lixo na Baixada. O candidato do PV à Prefeitura do Rio sugeriu levar o lixo do Rio para Nova Iguaçu como solução diante da saturação do aterro de Gramacho, em Duque de Caxias. Em resposta, no dia 13, o vereador reeleito em Nova Iguaçu, Fernando Cid (PCdoB), fez na Câmara um duro discurso contra a proposta do candidato tucano-verde.
“Nova Iguaçu não é o quintal do Rio, como alguns pensam. A população já convive com a falta d’ água, apesar de o Rio Guandu ficar no município. Agora querem nos empurrar o lixo do Rio”, criticou o vereador, que vai pedir explicações ao secretário de Meio Ambiente de Nova Iguaçu, José Augusto Venda, presidente do diretório municipal do PV.
“Agora querem jogar o lixo aqui, uma proposta de quem não conhecer o lugar. A população rejeita essa tentativa de trazer o lixo para a cidade. Prefeitura não confirmou qualquer acordo, que também não foi debatido na Câmara”, disse indignado.
O aterro recebe de Nova Iguaçu mil toneladas de lixo por dia e tem capacidade de armazenagem de 25 anos. Já o Rio produz seis vezes mais e despeja grande parte dos dejetos em Gramacho, Caxias, que terá o lixão desativado em dois anos. A Central de Tratamento de Resíduos, empresa que administra o aterro sanitário de Nova Iguaçu, informou que a empresa não comentaria a sugestão de Gabeira porque não fora comunicada por ele.

Com informações do Jornal O Dia

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

“O QUE É ISSO COMPANHEIRO?”

. Em 1969, como integrante do MR-8, participou do seqüestro do embaixador norte-americano Charles Elbrick em troca de 15 presos políticos da ditadura militar. Entre 1970-79 fica exilado, retornando ao Brasil com a anistia política, escreve o seu livro "O que é isso Companheiro?", onde faz autocrítica da sua militância e do seqüestro do próprio embaixador. Para Gabeira, toda a luta da juventude na época da ditadura militar passou a ser um mero período "utópico" da história, sujando a imagem dos muitos que lutaram e morreram pela redemocratização do país.

. Depois da sua mudança de perfil, passou a defender questões pontuais de comportamento, hábitos e de direitos individuais, como a legalização da maconha. Seu novo perfil atinge setores eleitorais despolitizados e camufla os conservadores e reacionários, pois o mesmo passa a defender um "novo capitalismo" e não mais a mudança de todo o conjunto da sociedade.

. Em 1989, se candidata a presidente e não chega a 1% dos votos.

. Sua indecisão de onde se estabelecer mostra sua crise de identidade política: Do PV foi para o PT, voltou para o PV, ficou sem partido, voltou ao PT, ficou sem partido de novo e voltou ao PV.

. Apoiou as privatizações, com destaque para a negociata de Daniel Dantas na privataria das telecomunicações.

. De forma oportunista foi inflado pela mídia no caso Severino Cavalcanti no congresso nacional, recebendo o apoio dos setores mais conservadores e atrasados da elite brasileira e carioca.

. Em 2006 sai na capa da "VEJA" como um defensor da "ética", a revista mais reacionária e mentirosa da história da mídia impressa brasileira. Essa revista é tão processada que daqui a pouco terão que abrir um tribunal de justiça só para ela. Com a ajuda da mídia e do apresso de setores "apolíticos" da elite zona-sul carioca se reelege deputado federal.

. Em seus quatro (4) mandatos como deputado federal pelo Rio de Janeiro, Fernando Gabeira, nunca apresentou um projeto na câmara que beneficiaria a cidade e o Estado que o elegeu.

. Em 2008 se candidata a prefeito do Rio, coligado com o PSDB, o TUCANO-VERDE recebe o apoio da mídia, da GLOBO, dos mais cobiçados produtores que conseguem vários artistas para o programa de televisão.

. Gabeira na prática se alia ao que há de pior. Sua atual candidatura é uma fachada do PSDB, partido tão queimado no Rio que não conseguiria lançar candidato aqui.Seu vice é do PSDB, Luiz Paulo, que foi vice do governo desastroso, corrupto e completamente privatista de Marcelo Alencar.
. A campanha do Gabeira também foi milionária, bancada pelo PSDB e pelas grandes empresas que bancam o PSDB. Todos os tucanos o apóiam pesado, FHC, Serra, Aécio, Alckmin.

. Seu coordenador de programa de governo é o ex-presidente do Banco Central de FHC, Armínio Fraga, que articulou a privatização de 70 estatais do Brasil, entre elas a Vale do Rio Doce, a Telebrás e a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), empresas nacionais que garantiam importantes investimentos e empregos no país e agora estão na mão do capital estrangeiro. Na gestão FHC, Armínio Fraga, também pôs o Brasil como recordista mundial de juros altos, o que paralisa a produção do país e permite ganhos incalculáveis aos parasitas especuladores financeiros.

. Armínio Fraga (Coordenador da campanha do Gabeira) também é dono da “Gávea Investimentos”, empresa corretora da Zona-sul do Rio que faz especulação financeira, além, é claro, patrocinar e conseguir investidores para a campanha do Gabeira.

. A Rede Globo e a mídia conservadora jogaram grande papel nesta falsa opção, a da criação do "voto útil em Gabeira para impedir o bispo Crivella de chegar ao segundo turno". No Globo de sábado, véspera da eleição, na internet, uma matéria sobre o último dia de campanha dos candidatos, dedicava 28 linhas a Gabeira e 4 a Jandira Feghali. E foi assim a campanha inteira. Para não falar do golpe da Globo, comparável ao golpe da Proconsult, de a segunda cidade do país, o Rio, com 6 milhões de habitantes, ter votado na eleição, sem sequer ter existido um debate televisivo entre os candidatos. E a Globo, mentora do golpe, se escudou em desculpas das mais esfarrapadas para a não realização do debate.

. A conversão na prática de Gabeira aos tucanos não é episódica, casual, representa na verdade o alinhamento com o conservadorismo político, escamoteado pelas posições dele sobre comportamento e toda a gigantesca operação da mídia por trás de sua candidatura.

. No 2º turno, Gabeira recebeu o apoio do DEM (partido mais conservador e reacionário da história republicana brasileira, suas origens são do antigo “ARENA” da ditadura militar, além de conter toda a oligarquia nordestina) e também do César Maia, atual prefeito que traz consigo 16 anos da mesma administração na cidade do Rio de Janeiro, afundando o município em desperdícios financeiros, corrupção, aprovação automática nas escolas, hospitais públicos em péssimo estado e epidemias de dengue. Gabeira será a representação da Nova Direita e a continuidade dessa administração atrasada que César Maia esta de frente há 16 anos.

. No seu último momento público de raiva, Gabeira mostrou seu preconceito pelos moradores da Zona sul. Numa conversa ao telefone, perto de jornalistas, Gabeira disse que a vereadora Lucinha (PSDB), eleita pela Zona Oeste, tinha “pensamento suburbano” e era uma “analfabeta política” por não concordar com a construção do lixão em Paciência.

. Gabeira, na prática, é o candidato ecológico que vai tentar salvar da extinção os “Tucanos” e a prefeitura do César Maia .

Se você acha que o futuro prefeito do Rio de Janeiro:

. Não deve ter um pensamento elitista.
. Deve governar para toda a cidade.
. Conhecer profundamente o território carioca e os seus problemas.
. Deve conhecer toda a área do município e não ficar fazendo “turismo eleitoral” pela cidade.
. Não deve ter preconceito com os moradores do subúrbio.
. Deve ter aliança com o Governo do Estado(Governador) e com o Governo Federal (Presidente).
. Não deve dar continuidade a gestão municipal de César Maia na prefeitura.


SE VOCÊ QUER UM NOVO RUMO PARA O RIO DE JANEIRO, ENTÃO SE JUNTE A MILHARES DE CARIOCAS E DIGA :
“GABEIRA NÃO!!!!!!!!!”

terça-feira, 14 de outubro de 2008

O mentor neoliberal de Fernando Gabeira


Bajulado pela mídia como o legítimo representante da “esquerda light”, Fernando Gabeira ainda seduz parcelas do eleitorado progressista do Rio de Janeiro. Mas estas pessoas, com maior senso crítico, deveriam ficar atentas às péssimas companhias do candidato da coligação PV-PSDB. O principal coordenador e financiador da sua campanha é o rentista Arminio Fraga, ex-presidente do Banco Central no triste reinado de FHC, ex-funcionário do megaespeculador George Soros e atual dono da empresa Gávea Investimentos. Ele é tratado por Gabeira como o mentor da sua principal proposta programática, a da implantação do “choque de gestão” na prefeitura carioca.
Um rentista sem escrúpulos
O coordenador do programa de Gabeira realmente não tem escrúpulos. Ele encara tudo como um negócio lucrativo, inclusive o poder político. “A nossa filosofia é investir apenas onde tenhamos um grau de confiança elevado”, revelou à revista IstoÉ Dinheiro. Ele não tem compromissos com o Brasil e o seu povo. “Especula-se que a Gávea Investimentos recebeu aplicações do seu antigo patrão, George Soros, e dos ex-donos do banco Garantia, como Jorge Lehman”, relata a revista. Arminio Fraga ainda afirmou à IstoÉ que “não teria qualquer constrangimento em me desfazer de papéis do Brasil se eles perderem atração”.
Tido nos bastidores da política carioca como o homem forte numa prefeitura dirigida pela aliança PV-PSDB-PPS, Arminio Fraga tem muitos interesses econômicos e financeiros para administrar. Reportagem da revista Exame revela que o rentista agora é sócio da McDonald’s, que vendeu no ano passado 1.600 lojas na América Latina por US$ 700 milhões. “A entrada num negócio deste porte chama a atenção para um novo traço da personalidade de Arminio Fraga: o de empresário”. Além do seu fundo de investimento, o Gávea, ele hoje possui ações na BRA transporte aéreo, em terminais de contêineres, em shopping center e, “a partir de agora também em hambúrgueres”.
Num desabafo recente, o economista carioca José Carlos Assis, editor do site Desemprego Zero, disse estar “de saco cheio de vigaristas que defendem o interesse próprio como interesse geral. Arminio Fraga é um economista vulgar de mercado... Mas o ‘mercado’ decidiu que é um sábio em economia. Isso não é de admirar, pois ele primou por atender os interesses genuínos do mercado... O que não dá para engolir é que Arminio Fraga, o rei do mercado, deite falação sobre economia como se fosse autoridade independente neste campo, acima de interesses particulares”. O desabafo é mais do que justo e deveria servir de alertar aos eleitores de Fernando Gabeira.

Altamiro Borges

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Fidel: Obama supera McCain em inteligência e serenidade

O líder cubano Fidel Castro, em seu novo artigo publicado neste domingo na Agência Prensa Latina, observa que o candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Barack Obama, "supera em inteligência e serenidade" o seu adversário republicano John McCain, a quem qualificou como "belicoso".
Sem fazer prognósticos sobre as eleições do país vizinho, Fidel considerou que "nos Estados Unidos há um profundo racismo e a mente de milhões de brancos não se reconcilia com a idéia de que um negro com esposa e filhos possa ocupar a Casa Branca, que se chama: Branca".
"Por puro milagre o candidato democrata não sofreu a sorte de Martin Luther King, Malcolm X e outros que tinham sonhos de igualdade e justiça nas décadas passadas", estimou.
"Pensando agora sobre a dívida pública atual dos Estados Unidos, que o presidente Bush descarga sobre as novas gerações nesse país — 10,266 trilhões de dólares — me ocorreu calcular o tempo que levaria um ser humano contando a dívida, que Bush praticamente duplicou em oito anos", destaca.
"Supondo oito horas de trabalho diário, sem perder um segundo, ao ritmo rápido de cem notas de um dólar por minuto e 300 dias de trabalho por ano, um ser humano levaria 710 bilhões de anos para contar esse dinheiro", conclui.
"O capitalismo tende a se reproduzir em qualquer sistema social, porque parte do egoísmo e dos instintos do homem", advertiu.
"Veremos agora como se desenvolve a crise e o que ocorre com os Estados Unidos em 25 dias", concluiu o ex-presidente, que deixou o cargo devido ao seu estado de saúde.

domingo, 12 de outubro de 2008

Crise nos EUA e onda de desemprego

No mesmo dia em que a Câmara dos Deputados dos EUA aprovou, por 263 votos a favor e 171 contra, a nova versão do pacote de socorro ao sistema financeiro, que sugará US$ 850 bilhões dos cofres públicos, o governo ianque divulgou um novo recorde de desemprego no país. Baita ironia! Segundo o informe oficial, em setembro foram eliminadas 159 mil vagas nas empresas, o maior número de demissões desde março de 2003. O facão atingiu todos os setores da economia, o que indica que a crise no mundo da especulação financeira bateu com força na economia real

Miséria bate recorde

Até setembro, já foram eliminados 760 mil postos de trabalho. As projeções indicam que o ano terminará com mais de 1 milhão de trabalhadores demitidos – algo raro na história dos EUA, que só aconteceu quatro vezes (1946, 1949, 1982 e 2001). Com mais este desastre, George Bush, o presidente-terrorista desta nação imperialista, deverá deixar a Casa Branca pela porta dos fundos

Pesquisa mostra que, pela primeira vez, o Rio teve mais homicídios que São Paulo

A segunda edição do Anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública revela que em 2007 o estado do Rio de Janeiro ultrapassou, pela primeira vez, o de São Paulo em números absolutos de homicídios dolosos, com intenção de matar.
De acordo com a pesquisa, ocorreram 5.504 casos no Rio de Janeiro enquanto em São Paulo foram registrados 4.877. O terceiro colocado em homicídios é Pernambuco, mas o estado apresentou uma queda em relação a 2006, passando de 4.305 para 2.962.
Quando a estatística leva em conta o número de habitantes, o Rio ainda fica em segundo lugar no ranking de mortes, com 35 homicídios por 100 mil habitantes, atrás do Espírito Santo, com uma taxa de 41,6 por 100 mil habitantes.
Os gastos com policiamento no estado do Rio cresceram mais de 20% de 2006 para 2007. No ano passado foram gastos em segurança mais de R$ 114 milhões. O estado de São Paulo ainda é o estado que mais gasta com segurança: R$ 4,8 bilhões em 2007.

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Bienal de Arte, Ciência e Cultura da União Estadual dos Estudantes do Rio de Janeiro (UEE-RJ)

A Bienal de Arte, Ciência e Cultura da União Estadual dos Estudantes do Rio de Janeiro (UEE-RJ) que será realizada de 20 a 23 de novembro na cidade do Rio de Janeiro. O Tema dessa Bienal será: "Cultura XXI: Arte em Novas Tecnologias"A Bienal acontecerá em plena Lapa, em meio ao maior corredor cultural do centro da cidade, ponto de encontro da juventude carioca!!As inscrições já estão abertas e serão recebidas até o dia 01 de novembro. Basta enviar para Av. Praia do Flamengo, 132 - Flamengo, Rio de Janeiro - CEP - 22210-030Maiores informações no Sítio: http://www.bienalueerj.blogspot.com/

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Jandira Feghali :NOTA À IMPRENSA

Em primeiro lugar, quero agradecer aos eleitores que acreditaram e me confiaram o seu voto, expressão da cidadania.
Nossa campanha foi modesta em recursos, mas limpa, coerente, guerreira e com propostas para a solução dos dramas que afligem a nossa gente.
Enfrentamos o poder econômico, as distorções de informação e, particularmente, a parcialidade da mídia que artificialmente produziu um fenômeno de voto útil anti-Crivella, induzindo muitos eleitores a mudarem o seu voto na boca da urna e influindo claramente na decisão de uma importante parcela da população. Fomos indignamente excluídos do noticiário como campanha competitiva, inclusive das fotos. Sequer conseguimos confrontar opiniões num debate ao vivo de qualquer emissora, uma situação atípica e inaceitável no Brasil.
Esperamos, no entanto, que a democracia se aprimore e tenhamos mecanismos de maior igualdade e inibição de instrumentos que distorçam o quadro e decidam antecipadamente o pleito.
Travamos o bom combate, de militância e muitos apoiadores a quem agradeço sinceramente.
Agradeço também ao meu partido, o PCdoB, aos partidos da coligação - PSB, PTN e PHS - ao meu vice, Ricardo Maranhão, à chapa de vereadores, verdadeiros combatentes da nossa proposta, e suas militâncias aguerridas.
Respeitamos a vontade soberana do eleitor e continuamos sonhando com uma cidade solidária, integrada, que defenda a vida, os direitos fundamentais da cidadania e o futuro de nossas crianças e jovens, contribuindo junto ao povo para que isto ocorra.

Jandira Feghali

Rio, 05 de outubro de 2008.

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Jandira: Rumo ao segundo turno


"Nós vamos para o segundo turno e vamos vencer as eleições". A afirmação foi feita pela candidata do PCdoB à prefeitura, Jandira Feghali, ao comentar no dia 3 a mais recente pesquisa que a coloca tecnicamente empatada com outros dois candidatos, em segundo lugar. A pesquisa foi feita pelo instituto IBPS, com 2.512 pessoas entre os dias 29 de setembro e 1º de outubro
"Estamos numa guerra, mas nunca deixei de acreditar na vitória", declarou a candidata comunista, que criticou a falta de debates na televisão e o pouco espaço reservado a ela pela mídia. "Agora estamos aqui para mostrar que candidato de uma só região não ganha eleição. No domingo o número é 65", convocou

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Caminhada de Jandira para o segundo turno varre Avenida Rio Branco

Cerca de dez mil pessoas tomaram o centro do Rio percorrendo a Avenida Rio Branco, no começo da noite (30), na caminhada da candidata à Prefeitura do Rio, Jandira Feghali. Entre os presentes o sentimento era unir o voto progressista para levar uma candidata de esquerda para o segundo turno. O ministro dos Esportes, Orlando Silva (ex.presidente naciona lda UJS), confirmou que Jandira é a candidata que conta com o apoio do presidente Lula. “Eu vim aqui com o objetivo de trazer uma mensagem do presidente Lula. Todo mundo acompanhou quando ele falou, para quem quisesse ouvir, que o melhor nome para a prefeitura do Rio chama-se Jandira Feghali”.